É hora de se afastar

Você não espera nada da vida. Apenas quer curtir. Um dia, está em uma festa com os amigos. Canta, dança, encanta. Uma pessoa aparece. Chama sua atenção, mas não. Você não foi lá para isso. No meio do caminho, elogia a pessoa. Se não fosse…

No outro dia, tem festa de novo. Mesmo lugar. Quase as mesmas pessoas. Sim, aquela que te chamou atenção estava lá. E veio. Conversou, pegou na cintura, quando você se deu conta, já era… Estava entregue. Feliz, cantando e dançando.

Os dias foram passando. A internet era a salvação. Mensagens, declarações não declaradas (como você gosta disso). Conta pra um, pra outro… conta os dias.

O tempo passa e todo aquele “fogo” também. As diferenças vêm à tona. A distância, a idade, a vida. As mensagens se tornam cada vez mais escassas. Uma brincadeira gela de vez o envolvimento.

Certo dia vocês se veem. Não há expectativas. Ele está com outra. Você já esperava. As mensagens entregavam. E ele merecia. A distância… a idade… a vida.

Você não sente nada. Não existia nada. Nem deu tempo da paixão bater na porta. Mas era bom. Esporádico e bom. Bonito e bom. Você não deixa passar. Quer mostrar que viu a cena. Você o procura. A pessoa fica sem graça. Está na cara. Ela não sabe como reagir. Mas por que? Ninguém deve nada a ninguém. Você não estava esperando nada, cobrando nada…

Sensatos são aqueles que sabem a hora de se afastar!

Boa sorte com sua paixão. Espero que você seja muito feliz. Você é lindo, tem um ótimo gosto (risos) e muita coisa boa pra viver. Aproveite =)

O que você quer?

Vejo pessoas sonhando com o futuro. Trabalho, empresas, apartamentos, carros… uma vida pela frente. E no meio de tanta informação, eu me pergunto: e você, o que quer? Quantas vezes me peguei pensando na resposta… Tudo em vão.

Eu não quero nada. Eu não sonho em ir para fora do país, eu não sonho em entrar na melhor empresa do mercado, em ter o carro mais caro da concessionária… Eu sonho com festas, reuniões de família, viagens, com uma vida simples e, talvez, não muito longa. Eu não tenho medo do que está por vir, mesmo não tendo noção alguma do rumo que eu quero dar para o que está além dos meus olhos.

Sim, eu sonho com casamento, filhos, um lar. Mas só isso. Não fico pensando no assunto, não corro atrás das realizações. Eu apenas vivo. Se acontecer, aconteceu, senão, outras vidas virão!

Sou desprendida.  Não tenho medo da morte, mesmo que isso cause estranhamento. Eu estou pronta para partir. Estou pronta para viver em um mundo onde a “moeda” de troca é a caridade. Como isso me faz bem…

E não, não estou depressiva. Minha vida está toda azul, como dizem. Tenho minha família cada vez mais próxima, tenho de onde tirar meu sustento, tenho viajado como nunca… tenho mais do que mereço, acredito. E largaria tudo de uma hora para a outra.

Subiria aos céus, hoje, ao encontro dos meus. Daria um abraço de urso no meu Pai, apertaria com força as mãos de minha prima, passando a energia necessária para fortalecê-la, e encheria de beijos os meus avós. Diria o quanto foram importantes pra mim e para toda a nossa família. Aproveitaria cada momento “perdido” no tempo.

Essa sou eu. Sim, sentimental. Sim, amorosa, mesmo que muitos discordem. Sim, espírita e pronta, para um vida sem limites.

Que assim seja!

À procura de conteúdo

As pessoas devem se perguntar: será que ela não sente falta de alguém? Por que ela está há tanto tempo sozinha? Será o possível que ninguém é bom o suficiente? Quer a real? Muitas vezes a gente super valoriza uma pessoa e quando vê: decepção. Outras tantas, a gente desdenha alguém e quando vê: maldito cupido. A vida é, sim, uma caixinha de surpresas. E eu, bom, eu procuro demais mesmo…

Reparo em tudo. Mas sabe o que mais me atrai? Não, não é beleza. Lógico que a pessoa tem que te atrair fisicamente. Seja uma boca carnuda (quem não gosta?), um olhar perturbador, uma perna definida, um braço cheio de voltinhas… Alguma coisa tem que chamar atenção. Mas não… o que mais me atrai é o tal do conteúdo. E não tem a ver com a minha profissão. Não faço a jornalista intelectual!

Eu gosto de papo. Homens que falam sobre tudo. Vão desde o famoso diálogo de elevador (tempo feio, né?) até futebol. Eu sei falar sobre futebol!!!! Homens que brincam, fazem piadinhas (com limites), contam histórias da sua vida. Que falam da família, dos amigos, da profissão. Homens que querem mostrar quem são e não o que tem!!!!!!!!!

Eu gosto de pessoas que olham nos meus olhos, pegam nas minhas mãos e falam o que têm vontade de falar. Pode ser a maior babaquice do mundo, a cantada mais furada da sua vida… mas com sinceridade. Gosto de pessoas que não têm vergonha de se assumir, de lutar pelo o que querem. Gosto de pessoas que provocam arrepios com um simples toque no braço, no rosto, no cabelo…

Eu gosto de pessoas. De atitude. De índole. De verdade. Pessoas que têm defeitos, mas que assumem os erros. Pessoas que têm dificuldades, mas que buscam o esclarecimento. Pessoas que querem, fazem e acontecem.

Sabe? Chega de bla bla bla, chega de indecisão (já basta a minha pessoa). Chega de números,  vantagens, experiências. Eu quero aprender junto. Eu quero construir história. Pode ser? Eu estou à procura de conteúdo. E, enquanto eu não acho, me divirto com os meus livros (e não, não tem a ver com 50 tons de nada). Ai os livros…