O lado bom da vida

Eu sou do tipo que não liga muito para cinema. Mas como geminiana, sou de fases. E uma delas, ADORA filmes. Então, aproveitei o momento e fui assistir um longa, indicado pelo meu irmão. Boa indicação. “O lado bom da vida”. Esquece o Oscar, os prêmios, vamos falar de fatos.

No começo, confesso que tive uma sensação ruim. O cara, depressivo, em um hospício… me deu um mal estar. Já sentiu isso? Quase apertei o STOP e fui dormir. Mas, por sorte, não o fiz. Assisti até o fim.

A história é a seguinte, um cara é traído por sua mulher com um colega de trabalho. Ele sai de si e ataca o amante. Ocorre o julgamento e ele vai parar em um hospício. Ele é BIPOLAR! Nos 8 meses que passa em tratamento, não para de pensar em sua esposa. Ele quer ficar bem pra ela. Erro número 1. Nós devemos ficar bem para nós mesmos e não para os outros!

O tempo passa e sua mãe o retira da clínica. Ele volta pra casa, tem alguns novos surtos, a polícia fica na cola e… ele decide tomar remédios, frequentar a terapia e pensar positivo. Nesse meio tempo, conhece uma moça. Sempre assim. Ela está cheia de problemas também. Os dois, no começo, não se bicam muito. Mas a moça vê algo nele. Ela insiste e eles começam a se ajudar.

Eles correm juntos e… dançam! A moça se inscreveu em um Concurso de Dança e precisava de um parceiro. Em troca de ajudá-lo a reconquistar sua esposa, ela pede que ele seja seu parceiro. A história desenrola. Eles ensaiam bastante e chega o grande dia.

Na plateia, a ex-mulher. No bar, a amiga, cheia de problemas, dançarina, afogando as mágoas (2 copos de vodca, pura, não fazem cócegas. AHAM). Por que cargas d´água a ex-mulher, de fato, estava lá? (Para entender a inclusão da expressão “de fato”, favor assistir ao filme. Obrigada!)

Chega a vez do casal. Eles até mandam bem, mas né, são amadores. Por conta de uma aposta, precisam apenas de uma nota final de valor 5. Adivinha?! Óbvio que eles conseguem. Assim, cravado, mas conseguem.

Ele abraça a parceira e vai de encontro à ex. A parceira sente ciúmes. Tadinha, foi trocada; sei bem como ela se sentiu, muito bem! Ele sussurra algo no ouvido da ex. Volta para a pista de dança e pergunta pela parceira. “Quedê?!” Ela saiu, chorando, desnorteada, arrasada, #chateada!!!

Ele a alcança. Entrega uma carta. Desta vez não é para a ex-mulher (ela fingia entregar suas cartas à ex, para animá-lo! OUMMM). Era para ela. Ele se apaixonou. OUMMM, de novo. Ela não acredita no que lê. Abre um sorriso e lasca um beijo (de dar água na boca) no galã. Esse é o lado bom da vida!!!

Chorei, viu. Chorei mesmo. Chorei porque vi ali uma moça, cheia de problemas, sendo altruísta. Ela se doa ao outro! Chorei pelo esforço dele em querer ficar bem. Chorei pela dança, pela conquista, pela paixão! Eles se apaixonaram!!!

Chorei porque eu estou de TPM, cheia de problemas e não consigo “ler os sinais”. Chorei porque chorando, alivio minha ansiedade, minhas tristezas, minhas decepções. E aí, eu pego o celular e vejo uma mensagem. “Boa noite, linda”. Enxugo minhas lágrimas e vou me deitar. Tão simples e tão especial. Quem sabe?!

Você quer gostar quanto?

As mulheres vivem em busca do príncipe encantado. O cara moreno alto, bonito e sensual. No fim, acabam se desiludindo. Sério? Muito sério. Se soubessem que a alguns km existem pessoas que dariam o mundo para estar ao seu lado… não fariam nada!!!

A gente, infelizmente, não manda no coração. Agora, que o nosso coração é sempre meio atrapalhado, não tenho dúvidas. Ele gosta de quem não está nem aí pra gente. Que nos usa e depois joga fora. CHOREMOS!

Seria tão mais fácil gostar de quem gosta da gente, diz aí?! Aquela pessoa meio “esse cara sou eu”, que te manda mensagem de “bom dia”, que se preocupa com você, gasta o que pode e não pode só para estar ao seu lado, que é carinhoso, que beija bem (vamos elogiar, né?), que cuida de você e faz de tudo pra te ver bem. Aquele cara. Bonzinho, especial… que você quer como amigo.

Vai entender! E vem cá, nada de julgamentos. Os homens também são assim. Mulheres boazinhas? Eles querem as santinhas fora de casa e diabinhas entre 4 paredes. As moças de família estão fora da lista de preferências. Também, com tanta mulher abrindo as pernas a deus dará, perdeu a graça conquistar! Tô áspera mesmo. Na TPM eu fico ainda mais sincera. Me deixa!

Eu sou do tipo que torce por uma tecnologia ultrarromântica que una as pessoas através de um único clique. Não, nada de mouse, computador, site de encontros e afins. Um botãozinho que a gente apertasse e despertasse o cupido. Ele vinha correndo, perguntava quanto você queria gostar da pessoa e acertava a flecha em cheio. É esse. VRUMMMMMMMMMMMMM. Ta na na na nannnnnn! “Love is in the air” na caixa, DJ!

Ok, eu viajo. Sim, eu viajo, literalmente. E viajando, eu queria gostar de quem gosta de mim. Eu queria fazer feliz quem quer me fazer feliz. Sabe? Mas a gente não tem controle da nossa cabeça, do nosso coração. Infelizmente. Seria injustiça da minha parte alimentar algo que eu não possa sustentar. Me sinto muito melhor dizendo a verdade. Muitas vezes, a amizade vale mais do que um relacionamento de fachada. Fique bem, eu quero o seu bem!!! =)

O que passa?

Sempre li em revistas, blogs, livros e afins, que uma verdadeira paixão nasce das amizades. Aquela pessoa que te conhece tão bem, mas tão bem, que se  bobear, sabe mais sobre você do que você mesma. Aquela pessoa que sabe todos os seus podres, seus medos, aflições… que comemora contigo suas conquistas, suas provas, suas vitórias. Aquela pessoa que hora ou outra te manda uma mensagem de saudades, sem maldade, genuína mesmo. A pessoa que de um dia pro outro se torna alguém imprescindível em sua vida. Sabe como?

Não, não eu encontrei alguém assim, mas adoraria. Ok, estava quase lá e não sabia. Um amigo, sempre ele. Uma festa. Pessoas incentivando. O beijo. “E amanhã? Como eu vou olhar na cara dele? Como vai ser?” Normal, ué! Mensagens, beijos no rosto, alguns na boca e assim vai… Os meses passam, vocês se encontram pouco, mas quando se encontram é bom. Você nunca demonstra nada. Amigos, ué, amigos com benefícios. Calma, só beijos.

A vida segue. Ele sai com outras, você com outros. Mas e daí? Vocês não têm nada. Se gostam, se escrevem, se veem.. Só! AHAM! Até que um belo dia você abre o bendito Facebook e se depara com um post. Um Check-in. Fulano de tal está com Ciclana de tal em tal lugar. HMMMMMMMM. Você sente um aperto no peito. Mas por que? Você não sente nada. Vocês não têm nada… AHHHHHHHHHHHHHHH!

As lágrimas caem, sem esforço. Mais uma vez? Você não havia prometido que não se envolveria? Que não sofreria mais? Controle sua mente. Ah tá!

Bom, hora de tomar alguma atitude. “O que os olhos não veem, o coração não sente!!!” Sem pestanejar, você o deleta. Se sente melhor. Não quer ver. Se ele tem alguém, que seja feliz com este alguém, mas não debaixo do seu nariz. Ser segunda opção? JAMAIS!

Passa um dia e ele se toca do seu feitio. Por que ele, tão inocente, foi deletado? Ok, sem ironias. Você diz, com eufemismo, lógico, que o deletou porque não quer ser espectadora de seu romance. Na verdade, queria dizer: não curti! Senti ciúmes, fiquei mal e fodam-se vocês! Não, você não é tão ruim assim. Você deseja que ele seja feliz, mas… longe de você!!!

Ele não se conforma. Joga na sua cara que você viaja. Melhor do que te chamar de louca, né?! Diz que você vive na gandaia, em outras palavras (ele também usa eufemismo, mesmo sem saber), e que nunca fez ceninha. Hmmm, virou peça de teatro, então! Ah, e fala que você está julgando sem saber o que acontece. E desde quando você quer saber? Se ele conheceu ela há um ano, se é ex, se conheceu no reveillon, se ela já veio pra cá?! Você não quer saber. Hello!

Assume seu lado viajante e manda um ” be happy”. Agora, peço uma opinião masculina. Se vocês gostassem da viajante , o que fariam? Tentariam se explicar? Confessariam nunca ter imaginado tal reação? Tentariam esclarecer a situação, correto?!

Ele teve colhões para comprar uma passagem pro Sul, mas pra te explicar algo, NÃO. Ele gosta dela e não de você. Aprendam a ser realistas, meninas. “Bora pra outra”. E be happy!