Ele queria um texto!

A nossa conversa começou assim:

- sorriso lindo demais. Com que uma mulher linda assim trabalha?

- Não trabalha. Sou do lar. E você?

- Sou coyote. Ajudo pessoas a atravessarem a fronteira dos EUA.

O papo continuou e a zueira também, afinal a zueira não tem fim. Mas não vim falar sobre ela. E sim sobre ele. Alto, moreno, bonito, nerd, bom de papo e galanteador.

Convidou tanto que um dia eu fui. Fui de encontro ao acaso. Fui de encontro a uma noite divertida. Me arrependeria até a morte – ou a  outra vida – se não tivesse ido.

Fui com medo, quase desistindo. O que eu vou falar? Será que vai ser mais um fiasco? Será que ele vai mesmo? Será que vou reconhecê-lo?

Chegamos quase juntos. Nos comprimentamos como se já fôssemos velhos amigos. Tivemos a nossa primeira decisão juntos: happy hour ou apenas couvert? A.A está de olho em nós. Não preciso dizer mais nada, né? Tínhamos 40 minutos de muito litrão. Meau.

No começo é aquela coisa sem jeito, um fala, outro fala e quando vê, a música começa. Alta, muito alta. Para conversarmos, precisávamos gritar. Fiquei rouca no outro dia, lógico.

Falamos sobre tudo. Nerdices, música, festas (ele me acha uma festeira de carteirinha), religião, família, profissão… rendeu! E eu nem vi a hora passar!

Voltando ao começo do texto: alto, moreno, bonito, nerd, GALANTEADOR. Encanou no meu sorriso. Investiu nele. E aí, eu já não conseguia mais parar de sorrir. Foi involuntário, eu juro. Foi uma estratégia inconsciente.

O encontro tinha um motivo: assistir ao jogo do Brasil. Não vi um lance sequer. Agora, se a companhia estivesse ruim, a cerveja quente e o bar em silêncio, saberia até o minuto em que o Neymar insultou o juiz. Eu leio. Eu me informo. Eu… me encontro sorrindo. Só sei que foi assim!

Homem gosta de mulher…

Vai dizer, quem nunca se olhou no espelho e se sentiu a pior criatura de todas; acima do peso, cheia de espinhas, com o cabelo horroroso. Quem? Quem? Mais, e aí escutou das amigas: Levanta esse rosto, passa um batom vermelho e vai… homem não gosta de mulher insegura!

Para um pouquinho, descansa um pouquinho, 550km. Mulher insegura? Homem não gosta? Tá. Homem gosta de mulher o que então?

Você acorda se sentindo mara, põe aquele vestidinho que te deixa com um corpão, arruma o cabelo, passa o batom vermelho e sai. Vários caras vem falar com você. Você está exalando confiança. Mas e aquele, que não gosta de mulher insegura? Ele fica… inseguro! Por que você estaria com ele? Aliás, impossível que você esteja só com ele. Bonita, gente boa…  então ele some.

Já descansou? 560 km. É legal ter vários caras novos falando com você, mas e aquele… que você queria ao seu lado, cadê ele? Você vai ficando cabisbaixa, se olha no espelho e se sente a pior pessoa do mundo. É a insegurança mandando lembranças. E aí, o cara some de vez. Afinal, homem não gosta de mulher insegura!

Que vidinha mais ou menos, hein?! Quer uma dica? Doe o seu espelho… e o batom vermelho! =p

E o coração? Vai bem!

Bom, sinto lhes dizer, mas se eu não morri hoje, eu não morro mais. #naneimortal

Sempre almoço em casa, mas hoje, justamente hoje, minha mãe pediu que eu almoçasse na agência. E obediente que sou, o fiz.

Mas o que comer? “Ah, faz tempo que não ando. Acho que vou lá na padaria…” Vulgo 2 quadras do meu trabalho. Achei que o pequeno salto não influenciaria, massss, confesso, doeu um “cadinho”. FOCO. Estou subindo até a padaria e a rua DESERTA. Nem um serzinho pra contar história ou me salvar, caso eu precisasse – e quase precisei!

No caminho vi um moço com sua mãe indo pra outra direção. Ok. Mas mesmo distantes, eu ouvia passos, que se aproximavam. Eu só pensava “Eu não tenho o que dar. Se ele me assaltar, digo que só consigo pagar um almoço; chamo ele pra almoçar comigo…” Sim, eu viajei em 5 segundos.

De repente, o cara soltou um “Boa tarde”. Aí meu coração foi na boca. Juro, eu gelei. E continue pensando “Não, não deve ser comigo. Vou fingir que não é comigo e continuar andando. Meu Deus, cadê as pessoas na rua?” E não, não era comigo. O imbecil estava no celular. E precisava me assustar? Logo ele foi pro outro lado e passou, passou.

Beleza. Cheguei no restaurante, pedi um lanche e um suco e fiquei esperando. O suco veio errado. Levei mesmo assim e estava bem bom. FOCO. Saí do restaurante com minha sacolinha rumo ao meu trabalho. Ao atravessar a rua, ouço uma mulher gritando e vindo na minha direção! “É hoje”, diria a grande compositora da atualidade Ludmila (risos).

Diminui os passos, pra ela seguir adiante na minha frente. Tipo, abri alas pra querida. Mas que adiantou? Do nada ela parou e ” Ô tia…” Era comigo. P*ta merda. Tia? Ela tinha idade pra ser minha mãe. Mentira. Mas era mais velha que eu. E eu era a tia. Tá. Neste momento meus “Divertida Mentes” começaram a correr de um lado pro outro. “Meu Deus, finjo que não é comigo de novo ou paro e escuto?” Parei e escutei.

“Vê se eu tô errada. Aquelas moças tão dando em cima do meu marido… tudo talarica… não tem que morrer?” O que você responde neste exato momento?! Eu só consegui dizer ” como assim? por que você não vai lá com ele, então, já que ele é SEU marido?”

Ela, quase chorando, “não, eu não quero mais ele… talarica tem que morrer… e pior, eu tô grávida dele…” E saiu andando, mexendo com um outro cara que estava na calçada.

Acho que ela não curtiu minha resposta. Uai. Se era dela, ela que fosse lá marcar presença. Não? Não! Ela não quer mais ele. Certa ela. Medrosa eu. Quase morri.

Ela foi para um lado e eu para o outro. O marido eu não sei quem é. As talaricas então… nunca vi mais gordas. E o cara do celular?

Quer saber, vamos falar de coisas boas… E o coração? Vai bem, obrigada!

O que me atrai no #Tinder

Muitos perguntam o que eu faço ali. Muitos falam que eu não preciso disso. Para todos eu respondo: estou fazendo meu TCC sobre o Tinder. Mas não é só isso, eu adoro o Tinder.

Adiantando uma informação importante, sim, ele funciona. Em entrevistas para o meu trabalho, descobri muitos casais que se conheceram através do app. Pode dar romance depois do “match” sim! Acredite, confie, não perca as esperanças.

Mas não vim falar sobre isso. O fato é que um amigo recém solteiro veio dizer que não teve sucesso no Tinder. E eu disse de bate-pronto: ou você não está sabendo se vender ou escolheu as fotos erradas. Na hora, enviei a pauta para um primo, que abriu um Canal para os solteiros. Se você não está pegando nem gripe, aprenda com ele…(risos)

Bom, como vídeo é difícil de produzir e leva mais tempo, resolvi dar umas dicas por aqui mesmo. Partiu ver se alguma é condizente?!

Regra número 1: escreveu sobre você, jogue o texto no Word pra ver se não tem erro! Se tem dúvida em alguma palavra, não hesite em pedir ajuda ao Aurélio, vulgo dicionário. 99% dos matchs não acontecem por conta de erros de português. No meu caso, 100%! Desculpa, eu sou jornalista e o mínimo que você precisa saber é escrever na sua língua pátria (eu procurei no dicionário a nomenclatura correta, eu assumo. Procure também, sempre que tiver dúvida!!!).

Regra 2:  se você não tem filhos e colocou foto com seu sobrinho, escreva no seu perfil “não tenho filhos”. Existem mulheres que não querem homens Kinder Ovo, ou seja, com surpresinha (igual a filhos). Agora, se você tem filhos, avise também. Nada mais honesto do que assumir a paternidade. Eu, particularmente, dou ‘X’ pra caras com crianças. Sorry, quero ter os meus. =*

Regra 3: Nada de colocar fotos suas no banheiro, de cueca ou shorts com ênfase no colega. Sério. Se você quer pornografia, procure outro app. Talvez o Badoo seja um lugar bom. Tinder não. Por favor.

Regra 4: Use sempre fotos atuais. Não adianta por uma foto de 5 anos atrás, em que você tinha muito cabelo, barriga tanquinho e um sorriso encantador. Confie na sua careca e na sua pança de chopp. Seja realista. Você não gostaria de encontrar alguém completamente diferente das fotos que você viu, né?!

Regra 5: Fotos sem camisa, só se você estiver com o corpinho em dia. Mas, lembre-se, sexy sem ser vulgar!

Regra 6: Fotos suas enquanto em criança, só no dia das crianças no perfil do Facebook. No Tinder não!

Regra 7: Colocar fotos de viagens é bom. Atiça o imaginário feminino. Mostra que você curte viajar, conhecer novos lugares. Colocar fotos só de viagens “bacanas” vai atrair uma mercadoria. É isso que você quer? Se bem que… talvez seja!

Regra 8: Foto praticando esporte é massa também. Mostra que você se cuida. Cuidado com as fotos na frente do espelho da academia. Em excesso é feio e egocêntrico demais.

Regra 9: Foto tocando algum instrumento atrai atenção. Mostra que você é mais que um rostinho bonito. Tem um dom…

Regra 10: Fotos com os amigos? Só se a próxima for só sua. Não tem coisa mais zuada do que perfil apenas com fotos de amigos. Quem é você ali, rapaz? Assuma-se!

Regra 11: Foto só com bebida não. Ok beber. Ostentar um pouco… Mas quem quer um bêbado louco? Você tem 6 chances de mostrar suas preferências, faça bom uso delas!

Regra 12: Sorria, meu bem. Tem homem que paga pra não mostrar os dentes. Que isso? Eu julgo os caras por suas fotos sérias. “Nossa, esse cara deve ser triste, grosso, emburrado, chato demais…” Um, dos, três e… smileeee!

Regra 13: Não suba 6 fotos iguais. Se você não tem fotos legais suas, use apenas 1, 1x. Anotou?

Regra 14: Acho que essa nem devia estar aqui, mas né… use apenas FOTOS SUAS, nada de roubar do amiguinho famoso, do ator, cantor e tal. Fala sério!

Regra 15: Não saia dando “coraçãozinho” para todas as moçoilas. Bancar o atirador de elite no Tinder não rola. Eu, por exemplo, estou cansada de “matchs” tanto faz. Eu quero conversar. Não basta curtir meu perfil, tem que ter papo. Ou você é apenas um rostinho bonito?

Regra 16: Puxando a beira de cima, CONVERSE. Nada de dar <3 à toa. Abriu chat, mande oi, puxe papo, veja se as coisas fluem pra, então, virar um encontro real.

Regra 17:  Prefira um primeiro encontro em público, em um bar, por exemplo. Esse negócio de “venha tomar um vinho aqui em casa” não dá, amigão. Você nem conhece a pessoa. Vá com calma! Se estiver com pressa, volte à regra n° 3.

Regra 18: Seja feliz e boa sorte!

Vamos praticar? Rever perfil? Depois me contem se surtiu efeito. Beijos de luz.        

A culpa foi minha

Tem dias que o tempo está ruim, o clima está ruim, mas pode piorar. Você pega o celular e pensa: “será que fulano trocou a foto de perfil?” (se você imaginou fulano trocando sua foto pessoal por uma de casal, acertou, era essa mesmo que eu estava procurando!)

Ai, você entra no perfil de fulano e tcharã! Nada de foto nova no perfil, mas na timeline sim. AHHHHHHHHH-chou! Era a foto que você tanto almejava ver: dela. Quem seria ela?

Bom, você achava que era uma pessoa  e não era. Outra, com nenhum amigo em comum. Sei. Conta mais. Bonita. Nada demais. Se fosse feia, seria chato. Seria pior. Você ficaria mal. Não que você seja bonita, porque não é, mas né, a gente aceita ser trocada por outra melhor. Sempre melhor…

Então, você fala pra sua mãe: “acabei de ver a foto da namorada de fulano. Bonita.” Ela não hesita: “Também, você tinha que falar pra ele que ele gostava da menina?”

A culpa foi sua. Sua por não ter dado certo. Claro que foi sua. Não foi porque vocês não tinham nada a ver. Nem porque ele esperava ter uma boneca sempre arrumada do lado dele. E com uma carteira da DIOR cheia de dólares. Não, a culpa foi extremamente sua, por ter falado pra ele que ele gostava de outra.

Sua. A culpa é sua de ele gostar de outra. Isso. Sua. Sua. Sua! Assuma de uma vez. Você não é a dona da verdade? A psicóloga de bar? Assuma!

Não, mami. A culpa é das estrelas, dã! Das estrelas que não brilharam. E da lua, que não formou um coelhinho. Mami, ele está feliz. E eu também (hoje não, mas no geral sim). E é isso que importa, não é?! Você me ensinou a desejar o bem aos outros! E eu desejei. Mesmo não tendo falado isso, eu desejei em pensamento. Naquele momento eu só tinha o meu silêncio pra dar. Mas eu enviei boas energias, eu juro!

E como desgraça pouca é bobagem, você vai no perfil de outro, ver a quantas anda o namoro iô-iô que ele insiste em assumir. E não encontra nada. E fica feliz. Você não quer nada com ele, mas é bom saber que ele está na praça. Pode até estar pensando nela, mas né, está na praça. Me deixa.

Por que a gente fica feliz com o sofrimento amoroso dos outros? Por que?!

Não precisa responder. A resposta de tudo hoje é: a culpa foi sua!