“me deletou?”

Quem me conhece sabe que eu sou uma “máquina de delete”. Deleto mesmo, quem não faz mais parte da minha vida, quem nunca fez, quem jamais vai fazer. Ai que forte. Não é. Eu uso meu Facebook pra divulgar fotos da família e contar minhas proezas, não faz sentido ter pessoas que eu nunca vi na vida. Mais, que não falam comigo.

Foi o caso. Conheci no Tinder, aquele programinha de solteiros. Moreno, lindo, olhos claros (que eu só fui descobrir depois). No mesmo dia, ele ia pro bar com uns amigos e me convidou. Aham, tá. Não fui. Imagina que eu ia sozinha em um bar com um cara ‘x’ e seus amigos. Passou.

Conversamos, trocamos whatsapp. Nada de a gente se encontrar pessoalmente. Uma vez, achei que tinha acontecido o bendito encontro. Nada, era um sósia. Que azars, né? Ninguém vai entender o lance do “azars”, é piada interna e eu estou com preguiça de explicar. Enfim, passaram-se meses e eu o deletei, de tudo. Por que eu vou ter um cara no meu Facebook e no meu whatsapp se a gente não se conhece e não se fala mais?

Massssss como o Facebook adora me trollar, eis que meu nome aparece na lista dele de “pessoas que você deve conhecer”. Valeu, Marck, pela milésima bola fora. Quando vi o pedido de amizade, comecei a rir. “Lá vem mais um me perguntando porque o deletei”, pensei. BATATA! Dito e feito.

Bom, explicação dada, começamos a conversar. UMA MANHÃ inteira. Alguém diz pra ele que é pra conversar no dia a dia, não precisa compensar tudo em um dia só?! Risos³.

Taí. Ele é lindo, gente boa, da minha área ( é né?), lembrou que eu sou nerd (mas não sabia o porquê; achava que eu jogava algum game na web. Nops) e que eu vi seu sósia no Da Vinci. É dois anos mais novo e jogou isso na minha cara. Mal sabe ele que os boys magia estão me dando 22 aninhos de pura lindeza. (Hoje não teve “alguém já te disse que você está linda?” Acreditem, até separei uns trocados pro cara e ele não estava no semáforo. Que fase!)

Bom, voltando ao mocinho do Tinder… quis marcar um almoço, mas estou pagando a maldita Copa. Viu, Seleção, valeu aí. Perderam a Copa, foram esculachados pela Alemanha e até hoje estão empatando meus almoços, minha vida, meus possíveis affairs (risos³ de novo). Beijo Neymar, na sua costela, sim a quebrada.

Pronto. Mais um texto registrado. Coração bateu mais forte? hahaha Quando te ver pessoalmente, tem texto novo. Fique bem e boa viagem =)

Um post para me redimir

Naquele dia, eu só queria sumir com todas as possibilidades. Naquele dia, eu só queria me proteger de imagens, mensagens e declarações. Naquele dia, eu te deletei.

É… quantas pessoas não chegaram pra mim no Facebook e mandaram uma simples e certeira mensagem: por que você me deletou mesmo?

Apesar de ser brava, eu assumo, faz tempo que não brigo com alguém. O fato é que sendo geminiana, sempre reciclo meus contatos. Olho o Facebook: 800 amigos. Ah, tá, deixa eu ficar doente pra ver quantos são amigos… Então, “esse eu não converso, esse eu nunca mais vi, esse só estudou comigo em 1900 e bolinha, esse é um babaca, esse eu conheci por causa de tal pessoa, esse já era, esse não tem o porquê ficar sabendo de mim, da minha vida…” E assim, eu deleto. Com gosto, sem gosto. E tomo.

Estes tempos deletei uma pessoa. Adoro ela, mas para evitar conflitos, desfiz a amizade (forte isso, né?). A história não vem ao caso. O que eu não imaginava era  encontrar essa pessoa na “noite”. Mais, e que levemente alcoolizada, faria confissões e choraria em seus ombros…

Não preciso dizer, mas vou. No outro dia, a vergonha era dupla. Nada de física e moral. Era uma vergonha pelo choro e outra pelo “delete”. Poxa vida, hein uow. Tentei me explicar, mas acho que meu argumento não foi válido. O que o destino fez? Colocou a pessoa, de novo, no mesmo ambiente que eu. Como reagir? Ué, mamãe me deu educação!

Agora eu me pergunto, até quando vou ter que “pagar” por um simples “delete”? Mandei uma cartinha para o Mark Zuckerberg já.  Ele devia deixar a gente voltar a ser amiga das pessoas sem ter que enfiar o rabinho entre as pernas e fazer um novo  pedido. Válido, não?!

No fundo, eu só queria me redimir. Juro que não foi pessoal. Eu adoro você! E se meu argumento não foi bom… posso pedir pra ser sua amiga de novo?! Diz que sim… Ou no próximo evento, prometo pular no meio da rua. É, não… Acho que seria “too much”.

Recaída Feminina

Mulher é um bicho viciado… em amor. Se apaixona fácil, se entrega fácil, se f*de fácil.

De repente, o celular vibra. Uma mensagem: “amiga, eu tive uma recaída, liguei pra ele…” Pra quê? Por quê? AHHHHHHHH. Porque a gente gosta de sofrer. A gente vive de ilusão. Bobinhas…

Eu já tive muitas recaídas e olha que sou extremamente orgulhosa. Dizia que com a mesma facilidade que passava a gostar de alguém, passava a odiar, menosprezar. Que dó da formiguinha. Hoje em dia, as coisas são muito mais difíceis. Muito mais. E é por isso que sou adepta ao “delete“. Não quer recair? delete. Não quer saber da vida da pessoa? delete. Não quer que ela saiba da sua? delete. Está esperando o que pra deletar? delete.

Dizem que o tempo cura tudo. Dizem que o homem que foge das suas tentações é covarde. As pessoas vivem dizendo frases prontas. E daí? Eu acredito no poder do tempo, mas odeio ter que ficar a sua mercê. Eu assumo minha covardia. Não consigo. Se eu vejo a pessoa online, quero conversar, perguntar o que está fazendo… Se ela não fala comigo, fico nervosa, ansiosa. Se ela não responde, quase pulo da janela. Então, por que mesmo? delete.

Já deletei muitos, por ‘n’ razões. E continuo o fazendo. Hoje mesmo o fiz. Pessoa sem maturidade não merece sua atenção. Falar pra quê, se a pessoa diz que não quer conselhos? Se acha graça no que faz de errado? Se não pede desculpas quando prejudica alguém?

Aliás, falando em coisas erradas (o que é errado, na verdade?), estou inconformada com a cara de pau das pessoas. Elas aprontam todas, somem e depois reaparecem como se nada tivesse acontecido. Oi? Essa função era minha. Eu fazia e acontecia, sumia e depois voltava feito um doce. O feitiço virou contra o feiticeiro. Agora eu sei o quão confusas ficam as pessoas diante dessas situações. Não sei se mando a pessoa dar uma voltinha naquele lugar, se dou risada ou finjo que está tudo bem. Não, não está tudo bem. Eu sou rancorosa. Não esqueço uma só vírgula do que fazem pra mim. Isso não é legal, mas quem vai julgar?

Sem julgamentos. Apenas promessas. E eu prometo que vou tentar não ter recaídas, mesmo que eu queira muito revê-lo, que eu tenha pensado muito em você. Ainda bem que não tenho o número das pessoas. delete. Eu prometo não mais sonhar com reencontros, não esperar uma ligação e nem uma mensagem de saudades. PROMETO! E prometendo, espero o mesmo. Suma do mapa. Não comente meus posts, não ‘curta’ minhas publicações, não mande um singelo ‘oi’. Fale que está apaixonado por outra, que está namorando, que tudo não passou de um lance, do passado. Quer saber, posso te deletar?