Um sonho tão real…

Vou começar este texto com uma confissão: sou a louca dos sonhos. Sério, lembro de quase todos. E o pior, são tudo nada a ver. Tem dias que eu acordo rindo. Haja imaginação, conflitos pessoais… sei lá o que influencia esses mini filmes noturnos. Haja.

Hoje foi uma noite daquelas. Um atrás do outro. Vim compartilhar o último. Foi tão real. Acordei meio chateada. Vamos aos fatos.

Já sonhou com alguém com quem você só trocou meia dúzia de palavras? Eu já. Mais, já sonhou que tinha algo com essa pessoa? Vou deixar você pensar um pouco.

Meu sonho pulou de um pro outro. No anterior, eu havia sofrido assédio – a pessoa não fez nada, mas tentou me puxar… Estava me sentindo suja. Quando cheguei em casa, a primeira coisa que fui fazer: banho. Mas não era minha casa, era um sítio, uma fazenda, sei lá. O banheiro era quase um estábulo. Escuro, mas estava ótimo.

Quando terminava a ducha, chegou minha mãe e o dito cujo das seis palavras. Ele era meu namorado, no sonho. Me deu um abraço não muito afável.

Falei alguma coisa – porque eu gosto pouco de falar – e fui me trocar. Mudou de cena.

Estava num sofá, dentro da minha possível casa. O namorado no celular, cagando pra mim. Eu havia chegado de viagem, só queria colo. Enfim…

Fui pro quintal, onde estava rolando alguma festa. Lá encontrei um amigo – que eu adoraria conhecer na vida real hahaha barbudinho, lindo -, mas que ficou dentro do sonho. Que droga.

Conversamos, rimos, bebemos… fizemos o que o outro se recusava a fazer em minha companhia. O celular estava mais interessante.

Depois de um tempo,  resolvemos ir pra dentro da casa. Adivinha? Namorado viu. Namorado não gostou. Namorado disse adeus. Namorado tinha culpa no cartório.

Não teve briga. Mas teve choro. Teve confissão de traição. Teve cesta de sei lá o que com um cartão de desculpas. Não teve volta.

O amigo, depois de um bom tempo tentando me consolar, se tornou a bola da vez.

Que loucura. Que real. Acordei meio assim “que será que isso quer dizer?”

Pensei, pensei, não muito, mas pensei. Cheguei à conclusão. Mamãe já dizia: “esse não, Mariane, ele vive rodeado de mulher”. A vida já dizia: “esse não, Mariane, ele vive na gandaia.” O sonho já dizia: “Mariane, você entendeu? Ele não. O amigo. Aquele que está do seu lado, te ouvindo. Que te conhece, que te faz sorrir”.

Mariane pensou, pensou e não reconheceu nenhum amigo com esse potencial. Mariane ficou triste. Perdeu o peão, perdeu o amigo, perdeu o sono. Será que dá pra continuar hoje? Talvez o Google possa me ajudar: http://bit.ly/2h6oMv0

E o coração? Vai bem!

Bom, sinto lhes dizer, mas se eu não morri hoje, eu não morro mais. #naneimortal

Sempre almoço em casa, mas hoje, justamente hoje, minha mãe pediu que eu almoçasse na agência. E obediente que sou, o fiz.

Mas o que comer? “Ah, faz tempo que não ando. Acho que vou lá na padaria…” Vulgo 2 quadras do meu trabalho. Achei que o pequeno salto não influenciaria, massss, confesso, doeu um “cadinho”. FOCO. Estou subindo até a padaria e a rua DESERTA. Nem um serzinho pra contar história ou me salvar, caso eu precisasse – e quase precisei!

No caminho vi um moço com sua mãe indo pra outra direção. Ok. Mas mesmo distantes, eu ouvia passos, que se aproximavam. Eu só pensava “Eu não tenho o que dar. Se ele me assaltar, digo que só consigo pagar um almoço; chamo ele pra almoçar comigo…” Sim, eu viajei em 5 segundos.

De repente, o cara soltou um “Boa tarde”. Aí meu coração foi na boca. Juro, eu gelei. E continue pensando “Não, não deve ser comigo. Vou fingir que não é comigo e continuar andando. Meu Deus, cadê as pessoas na rua?” E não, não era comigo. O imbecil estava no celular. E precisava me assustar? Logo ele foi pro outro lado e passou, passou.

Beleza. Cheguei no restaurante, pedi um lanche e um suco e fiquei esperando. O suco veio errado. Levei mesmo assim e estava bem bom. FOCO. Saí do restaurante com minha sacolinha rumo ao meu trabalho. Ao atravessar a rua, ouço uma mulher gritando e vindo na minha direção! “É hoje”, diria a grande compositora da atualidade Ludmila (risos).

Diminui os passos, pra ela seguir adiante na minha frente. Tipo, abri alas pra querida. Mas que adiantou? Do nada ela parou e ” Ô tia…” Era comigo. P*ta merda. Tia? Ela tinha idade pra ser minha mãe. Mentira. Mas era mais velha que eu. E eu era a tia. Tá. Neste momento meus “Divertida Mentes” começaram a correr de um lado pro outro. “Meu Deus, finjo que não é comigo de novo ou paro e escuto?” Parei e escutei.

“Vê se eu tô errada. Aquelas moças tão dando em cima do meu marido… tudo talarica… não tem que morrer?” O que você responde neste exato momento?! Eu só consegui dizer ” como assim? por que você não vai lá com ele, então, já que ele é SEU marido?”

Ela, quase chorando, “não, eu não quero mais ele… talarica tem que morrer… e pior, eu tô grávida dele…” E saiu andando, mexendo com um outro cara que estava na calçada.

Acho que ela não curtiu minha resposta. Uai. Se era dela, ela que fosse lá marcar presença. Não? Não! Ela não quer mais ele. Certa ela. Medrosa eu. Quase morri.

Ela foi para um lado e eu para o outro. O marido eu não sei quem é. As talaricas então… nunca vi mais gordas. E o cara do celular?

Quer saber, vamos falar de coisas boas… E o coração? Vai bem, obrigada!

Homem que trai…

Não vou mentir, já saí com homens comprometidos. E digo mais, eu não sabia. Conhecia a pessoa, me interessava e quando descobria, já era. Benditas redes sociais… E a vontade de dar uma indireta? De contar pra namorada que o seu amante era um cara do mal? Morria de vontade!

Era do tipo, saía, entrava no Facebook e via “te amo, meu amor…”  Te amo, meu amor? Se amasse não teria saído com outra pessoa, não teria ido à caça. Te amo, meu amor? Se amasse levava junto, não olhava para os lados… Morria de vontade de dedurar! Uma vez eu fiz, mas não explicitamente. Apenas dei um jeitinho de a namorada saber que o seu amado não havia ido pescar, como tinha contado. E eles terminaram. Ahhhh, quem avisa amiga é.

Mas não vim falar dessa minha mísera façanha. Vim contar a história de uma amiga. Minha ídola. Tudo o que eu idealizei fazer, ela fez. Sem dó nem piedade. Sem pestanejar. Que ela sirva de exemplo.

Uma menina difícil de se envolver. Nunca havia namorado. Em uma viagem, conhece um cara. Se encanta. Seria seu futuro primeiro namorado? Se encontram, conversam todos os dias… Ela vai a seu encontro; ele não é da mesma cidade. Ficam, fazem juras de amor, trocam mensagens todo dia. Viajam juntos, curtem, trocam mensagens todo dia.

Mas, de uma hora pra outra, o lance esfria. Seria a distância? O ciúme? O que seria? Uma outra!!! Ela não sabia, mas ele estava namorando com ela e mais uma. As mensagens ficaram raras, até que o Facebook colocou as cartas na mesa. Uma foto. Me dê imagens, Capitão Hamilton. Uma imagem e uma declaração. Quem seria a dita cuja?

Sem medo do que estava por vir, ou com, ela foi questioná-lo. “Uma amiga”, disse ele. “Eu ainda gosto de você, sinto sua falta”, continuou o mocinho. Feeling feminino não falha. Não acreditou.

Então, chegou o dia dos namorados. E com ele, a verdade. “Meu amor, que esse seja o primeiro de muitos dias dos namorados juntos…” O sangue subiu. A moça publicou. O moço caiu na própria cilada, Bino. O que fazer? Xingá-lo até a morte? Ligar milhões de vezes? Deletá-lo? Não, aqui a jogada é de mestre.

Minha amiga adicionou a namorada corna. “Oi, eu sou fulana, estava namorando ciclano enquanto ele estava com você. Quero que você saiba com quem está lidando. Olha o que ele me mandou ontem…” Sim, ela disse pra namorada que seu grande amor a havia apresentado como AMIGA. A menina deve ter ficado possessa. Minha amiga tinha provas. Contou tudo. Mostrou mensagens e tudo mais.

O moço? Não se pronunciou. Então, ela mandou uma mensagem: “Agradeço a Deus por ter tirado um mau caráter da minha vida”. Ele só respondeu “OK”. Até quando será que ele vai continuar se enganando e enganando as pessoas?

Ah, a donzela não apagou sua declaração ao idiota. E aí, quem acha que a menina é corna mansa levanta a mão o/ Depois de tudo que ela “ouviu”… Como pode? O cara deve ser muito bom no que ele faz pra conseguir o perdão alheio. Mulheres, se valorizem, por favor. 

E pra minha amiga, os meus parabéns. Ainda vou ter coragem de falar pras namoradas, dos canalhas que eu conheço, que seus “môzinhos” são uns verdadeiros putos de uns filhos!!! Não valem a roupa que estam usando. Olha que a lista é grande. Ah, se eu tivesse coragem, seria a bruxa da vez. Cuidado, uma hora eu perco o juízo. Exemplo eu já tenho.

Traição, qual você prefere?

Como disse em um post anterior, conversas no facebook rendem reflexões. Mas não só. Conversas de bar também. E ontem, foi um dia de muitos debates. Um conta a tatuagem que tem, outro, a que vai fazer. Do outro lado da mesa, alguém solta uma frase valiosa: “Eu gosto de Glee”. A confusão estava feita. Peixaria foi pouco. E aí, depois de algumas horas papagaiando, eis que surge o seguinte assunto na mesa: traição.

Uma amiga conta que o namorado largou dela e se assumiu gay! “#Todosri”. Não dela, óbvio. Mas de um dos meninos, que não se controla. Que situação, né? E aí, começa a discussão. Você preferia ser traído por uma pessoa do mesmo sexo ou do oposto?

Pra começo de conversa, acho que ninguém gostaria de ser traído. Isso envolve confiança, respeito e outros valores. Mas, enfim, se fosse pra escolher… a mesa ficou dividida. Eu, que sempre dou uma de dona da minha própria verdade, bati o pé: eu prefiro ser traída com uma pessoa do mesmo sexo – dele. Mulher é cheia de achar que foi trocada porque a pessoa é melhor e tudo mais. “Ela é mais bonita, mais inteligente, mais legal, mais carinhosa, MENOS CONFUSA… só pode ser!”

Então, em um certo dia, você vai a um ótimo restaurante com o namorado. O clima não anda dos melhores. Ele diz que precisa conversar com você. O frio na barriga é involuntário. “Perdi o namorado, ele não me ama mais, ele arrumou outra…” Nosso pensamento vai longe, mas não tão longe quanto à realidade atual. “Eu gosto de homens”. Meu Deus! Choquei! Nunca aconteceu comigo, mas me conhecendo, tenho certeza de que iria super engasgar na hora. Quem sabe desmaiar? Um ataque de risos? Um misto disso tudo. COMO ASSIM?

É meus caros, o mundo virou gay. De 10 crianças que nascem, 8 são mulheres e 2, gays! Como faz? Compra pronto! E se for traído, me chamar pra fazer companhia no bar. Adoro falar sobre “relacionamentos”. Apenas falar, acho que deu pra perceber!

Você prefere ser Havaianas?

Estava pensando cá com meus botões. Falar sobre traição perdeu o sentido. Os modernos inventaram o relacionamento aberto. As pessoas ficam com certa frequência, mas podem sair com outras pessoas. Jamais admitiria isso. Enfim, acabo de constatar que eu estou longe de ser liberal. Virou discussão de bar.

Ser solteiro é uma coisa. Você sai com quem quiser e não deve satisfações a ninguém. Ser um comprometido aberto é tenso. Mas vem cá, será que ser solteiro é sinônimo de não dar satisfação a ninguém? E por que as pessoas julgam, então, solteiros que saem com pessoas comprometidas? Hein?

Vamos chegar no ponto que eu queria. Ano passado estava numa fase tensa. Todo cara com quem saía, tinha namorada. E eu, só descobria depois. É ou não motivo pra ficar ‘p’ da vida? É! Enfim, fui numa festa de fim de ano, da empresa do meu irmão, e conheci um cara. A primeira pergunta: você namora? Eu estava cansada de ser a outra e só saber depois. Ele prometeu que era solteiríssimo. MENTIRA. Uma vez saímos e a namorada ligou. Ele pediu que eu ficasse em silêncio. Desceu do carro. ACHEI O FIM DA PICADA. Eu não merecia aquilo. Eu não precisava daquilo. Mas né? Senti pena… dela! De mim não, eu sabia que daquela nuvem não cairia chuva (?).

Uma amiga diria: a gente se sujeita. Oie? Será mesmo que a gente se sujeita? E você deve estar pensando: o que as Havaianas têm a ver com isso tudo mesmo? Pois bem, pensei e pensei e percebi que hoje em dia não vale muito a pena você ser Havaianas, a legítima! A legítima é enganada, chifrada, esquecida. Ela é, em muitos casos, apenas um elo de muitos anos, que escuta o “eu te amo” mais falso do universo.  Se ele te amasse, não te trairia, não pensaria em outra, não… Concorda? A legítima é uma certeza da qual muitos não têm coragem de se desfazer. Por que, hein?

Eu não sei até que ponto quero ser Havaianas. Odeio mentiras, não suporto ser enganada e não perdoaria uma traição. A não ser que fosse muito bem argumentada. Mas adianto, é difícil me dobrar. Uma só pessoa conseguiu isso com maestria, e eu ainda não a conheci hahaha Se bem que enganar alguém pela internet é justo. Como eu fui bobinha. Ai meu Deus.

O fato é que em mundo de comprometidos, ser solteiro é lucro. Você conhece uma pessoa por suas atitudes. Quem garante que ele não fará o mesmo com você? Pensando bem, meu dedo podre não começou ano passado. Quando conheci meu ex-namorado, ele namorava. E ele teve coragem de quebrar o elo e tentar algo novo. E eu não fui traída, assim acredito. Não deu tempo (como eu adoro me auto zuar). Chega de falar de mim. O meu mundo por: como eu queria que fosse diferente. =)

 

 

Idas e vindas do amor

Ontem foi dia de mais um filminho mamão com açúcar. FASE. “Idas e vindas do amor”. Não sei como não tinha visto antes. ADOREI. Pra quem não sabe, se trata de um filme sobre diferentes casais, vivenciando o Dia dos Namorados.

Um personagem pede sua namorada em casamento e ela vai embora. Outro, mantém relacionamento com duas mulheres, a esposa e a namorada – essa última descobre tudo. Tem ainda aquele que descobre a traição da sua esposa, o que se assume gay, a mãe que volta pra rever o filho, o casal de jovens que planeja sua primeira noite de amor, a moça que é atendente de disque-sexo e a solteira louca que acaba comprometida.

Conclusão:

Não adianta tentar ficar com uma pessoa que não tem nada a ver com você. Mais cedo ou mais tarde, ela irá te decepcionar.

Os amigos são os melhores amantes. Já deu uma olhadinha pro lado? Eu já e percebi que não tenho mais amigos homens, tipo, aqueles que seriam a solução. Todos estão namorando ou são ex de amigas. Como faz? Procura-se amigos.

Homem que vive sem tempo, pode/quase sempre tem vida dupla. Cuidado!

Todo mundo tem, algum dia, uma recaída. Traição é difícil, mentira também, mas o arrependimento deve ser levado em conta. Quem ama, perdoa. Quem está apenas apaixonado, não!

O amor acontece para todos. Homens e mulheres. Homens com homens. Mulheres com mulheres. E ATÉ homens com mulheres!!!

Às vezes, a gente tem que se afastar de quem a gente tanto ama, mas um dia a gente volta. E o pensamento? Continua de onde ele nunca saiu!

É muito bom estar doente de amor, escrever cartinhas e comprar flores para sua amada!

A primeira noite não deve ser planejada, ela tem que acontecer. E isso não vale só pra sexo.

Pagando bem, que mal tem? Calma, esse é pros freelas da vida. Sem pensar besteira.

Solteiras loucas, uma hora, encontram suas metades. Que alívio!

Pode ser? Tranquilo? #partiu